A noite em que ele voltou para casa: a franquia Halloween

Uma das maiores franquias de horror de todos os tempos tem várias maneiras de ser apreciada. Conheça as linhas cronológicas de Halloween.

Em uma noite de Halloween, em Haddonfield, um garotinho assassina sua irmã e passa anos em uma instituição para doentes mentais. Perigoso, violento e assassino, Michael Myers, certo dia, escapa de sua prisão. E então, o terror tem início.

Debra Hill e John Carpenter

LEIA+: 7 CURIOSIDADES SOBRE JOHN CARPENTER

Criada por John Carpenter e Debra Hill, a franquia Halloween deu muito pano para manga. Reimaginada e refeita algumas vezes, Halloween possui uma estrutura intrigante. Em todas as vezes que alguém tentou continuá-la, acabou reiniciando-a a partir da aterrorizante noite em que Michael Myers percorreu o pacato subúrbio de Haddonfield assassinando todos os jovens amigos de Laurie Strode. 

Isso fez com que a franquia Halloween ganhasse três linhas cronológicas distintas, além de um remake dirigido por Rob Zombie. Muitos espectadores podem ficar confusos sobre como assistir a esses filmes. Pensando em você, leitor macabro, criamos um guia separando os filmes em cada uma de suas linhas cronológicas.

É só escolher por qual começar e mergulhar fundo na história de Laurie Strode e seu nêmesis, Michael Myers.

A linha cronológica “original”

– Halloween: A Noite do Terror (1978)
– Halloween 2: O Pesadelo Continua!
(1981)
– Halloween 4: O Retorno de Michael Myers
(1988)
– Halloween 5: A Vingaça de Michael Myers
(1989)
– Halloween 6: A Última Vingança
(1995)

É difícil chamar a primeira linha cronológica de Halloween de original, mas foi a linha cronológica inicial da franquia. 

Halloween: A Noite do Terror (1978)

Começamos com o ponto de partida em comum de todas as linhas cronológicas: Halloween: A Noite do Terror, conta a história de como Michael Myers se tornou um assassino sanguinário, desde a noite em que assassinou sua irmã, até tantos anos depois quando perseguiu Laurie Strode (Jamie Lee Curtis). O primeiro filme de Halloween foi um sucesso, e muitos dos jovens realizadores que estavam iniciando suas carreira ficaram tentados a trabalhar com algo naquele estilo. Inicialmente chamado The Babysitter Murders, o filme deveria se passar em vários dias, mas o baixo orçamento fez com que a história se concentrasse na noite de Halloween — com um orçamento de $300.000,00, o filme fez $47 milhões de bilheteria. 

Halloween: A Noite do Terror (1978)

Halloween 2: O Pesadelo Continua! é uma sequência direta do primeiro filme, lançado em 1981. Michael Myers levou seis tiros de Dr. Loomis (Donald Pleasence) mas, claro, sobreviveu e escapou. Laurie Strode, chocada com toda a onda de violência que presenciou, é levada até o hospital. Mas, o que deveria ser um momento de paz para que Strode se recuperasse, acaba se tornando a continuação de um pesadelo. O que ninguém compreendia até então é por que Myers estaria tão fascinado por Strode, a perseguindo até o hospital. Nos é revelado, então, neste segundo filme, que Strode era irmã de Michael Myers. Esse conceito será utilizado tanto durante essa linha cronológica quanto na reformulação da franquia, mas é abandonado na linha cronológica recente.

Halloween 2: O Pesadelo Continua! (1981)

Carpenter não gostou muito do primeiro corte de direção de Rick Rosenthal, responsável pelo segundo filme da franquia. Para ele, o filme não passava o horror necessário. Então ele mesmo fez algumas edições e cenas a mais, mais sangrentas e violentas, para aumentar a ação do filme, o que desagradou Rosenthal — a questão era que Rosenthal queria que a sequência seguisse a intenção do original, um filme em que o horror e o suspense são bem elaborados e não apela para o sangue e violência desmedida. E era o que Carpenter também queria, mas o medo era que, em um momento em que os filmes de sucesso eram os slashers violentos, um filme como Halloween não fizesse tanto sucesso se não apelasse um pouco. Halloween 2 não fez tanto sucesso quanto o primeiro, mas ainda se saiu melhor que muitos dos filmes lançados naquele ano, como Gritos de Horror e Sexta-Feira 13 Parte 2.

Halloween 4: O Retorno de Michael Myers (1988)

Halloween 4: O Retorno de Michael Myers é lançado em 1988, com direção de Dwight H. Little. Foi o primeiro filme da franquia que não teve envolvimento de John Carpenter. Carpenter chegou a escrever um tratamento para o filme, que pensava muito mais no que Myers havia causado nos cidadãos de Haddonfield, como o espectro do assassino pairava pela cidade. O conceito foi rejeitado pelos produtores, que queriam outro filme de slasher. Na história, dez anos se passaram desde a noite de terror do Halloween em que Laurie Strode lutou por sua vida. Myers acorda na véspera de Halloween, e seu foco agora está em assassinar sua sobrinha, Jamie (Danielle Harris), filha de Laurie, que foi posta para adoção depois que sua mãe morreu em um acidente de carro.

Halloween 5: A Vingaça de Michael Myers (1989)

Em Halloween 5: A Vingaça de Michael Myers (1989, dir. Dominique Othenin-Girard), um ano se passou desde os acontecimentos do filme anterior. Jamie sobreviveu à perseguição do tio Myers, mas sofreu sequelas: os horrores enfrentados pela garota fizeram com que ela não conseguisse mais falar. Essa perseguição de gato e rato ainda permanece até o sexto e último filme que faz parte dessa cronologia, Halloween 6: A Última Vingança (1995, dir. Joe Chappelle). Em Halloween 6, seis anos se passaram desde o último encontro de Jamie e Michael Myers. Jamie morreu, mas teve bebê que é alvo de um estranho culto, Cult of Thorn, além de ser um alvo contínuo de seu tio. Neste filme, e somente nesta cronologia, o culto seria o responsável pelos ataques de Myers. O último filme deixou muitos membros da equipe técnica e de atores bastante preocupados, e vários deles pensam no filme com tristeza — haviam discussões ridículas entre diretor e produtores, que arranharam a imagem e condução do filme, de acordo com os envolvidos. 

Halloween 6: A Última Vingança (1995)

Durante essa linha cronológica, quatro atores interpretaram Michael Myers em sua máscara: Nick Castle no primeiro filme, Dick Warlock no segundo, George P. Wilbur no quarto e sexto, Don Shanks no quinto filme da franquia.

A segunda linha cronológica

– Halloween: A Noite do Terror (1978)
– Halloween 2: O Pesadelo Continua! (1981)
– Halloween H20: Vinte Anos Depois (1998)
– Halloween: Ressurreição
(2002)

Essa linha cronológica se inicia com os dois primeiros filmes da franquia, assim como a cronologia original. Então, Halloween: A Noite do Terror (1978), Halloween 2: O Pesadelo Continua! (1981), são os dois primeiros filmes e o início da história permanece inalterado, como Michael Myers sendo irmão de Laurie Strode e todos os acontecimentos do segundo filme. Em seguida estão os filmes Halloween H20: Vinte Anos Depois (1998) e Halloween: Ressurreição (2002).

Halloween H20: Vinte Anos Depois (1998)

LEIA+: FINAL GIRLS: AS SOBREVIVENTES DO HORROR

Para uma pessoa desatenta, que está assistindo os filmes na ordem cronológica e, de repente, encontra Laurie Strode viva após os acontecimentos do sexto filme da franquia, poderia ficar um pouco surpreso e preocupado. Mas, o fato é que essa linha cronológica ignora todos os outros filmes. Então, Laurie Strode não teve uma filha, não morreu em um acidente de carro, essa filha nunca encontrou seu tio psicopata e afins.

Halloween H20: Vinte Anos Depois (1998)

A história de Strode e Myers continua depois de 20 anos dos acontecimentos daquela noite de Halloween de 1978. Em Halloween H20: Vinte Anos Depois (1998, dir. Steve Miner), Laurie fingiu sua morte e foi até a Califórnia viver uma nova vida como Keri Tate, diretora de uma escola particular, e tem um filho, John (Josh Hartnett). Mas, se tratando de Michael Myers e sua sede insaciável de vingança, ele descobre onde está sua irmã e vai até ela. Strode precisa lutar para sobreviver e para salvar a vida de seu filho.

Halloween H20: Vinte Anos Depois (1998)

H20 foi pensado como uma sequência de Halloween 6, e cenas foram filmadas fazendo referência aos três filmes anteriores. Em uma delas, uma das alunas de do colégio em que Strode é reitora sob o nome de Keri Tate, faz um trabalho completo sobre os assassinatos de Haddonfield, falando inclusive sobre a vida de Jamie, filha de Laurie na cronologia original. Mas, no corte final, todas as referências foram retiradas. Carpenter esteve em negociações para retornar e dirigir o H20, já que Jamie Lee Curtis havia retornado, mas suas demandas não foram aceitas pela produtora Dimension Films nem pelo produtor Moustapha Akkad, que já tinha outros problemas para resolver com Carpenter, graças a venda dos direitos dos três primeiros filmes.

Halloween: Ressurreição (2002)

No filme seguinte, Halloween: Ressurreição (2002, dir. Rick Rosenthal), Strode se encontra presa em uma instituição para doentes mentais após assassinar um homem que ela achava ser Michael Myers. Três anos após esses acontecimentos, Myers retorna e após uma briga cara a cara com Strode, ele vence. Mas Michael Myers não é o tipo de pessoa que tira férias muito longas. Depois de um ano do assassinato da irmã, um grupo de seis jovens são escolhidos para participar de um reality show chamado Dangertainment, em que eles precisam passar uma noite na casa em que Myers cresceu. 

Halloween: Ressurreição (2002)

Quem pediu para que Laurie Strode fosse morta foi a própria Jamie Lee Curtis. De início, ela não queria aparecer em Ressurreição, pois achava que o final de Laurie tinha sido satisfatório. Mas, depois, acabou aceitando, sob a condição de que Strode fosse morta para que nem a personagem nem a atriz participasse de mais nenhuma sequência. Se muitos dos fãs odeiam esse filme, talvez mais até do que odeiam o sexto filme da cronologia original, John Carpenter afirmou que sentiu vergonha de H20, e Jamie Lee disse que o filme era uma piada. 

Em H20, Chris Durand interpreta Michael Myers, e em Ressurreição Brad Loree dá vida ao serial killer.

Os remakes

– Halloween: O Início (2007)
– H2: Halloween 2 (2009)

Halloween é um filme querido, e isso é inegável. Dentre os slashers, talvez esteja entre o filme preferido de muitos. Junto de Freddy Krueger e Jason Voorhees, Michael Myers está entre as entidades assassinas mais poderosas dos filmes de terror. E assim como Freddy e Jason, Michael também recebeu um remake no novo milênio, pelas mãos de ninguém mais, ninguém menos que Rob Zombie.

Halloween: O Início (2007)

Desde lançamento de Halloween: Ressurreição (2002) os produtores pensavam em um novo filme para a franquia. Aproveitando o sucesso de Freddy vs Jason (2003, dir. Ronny Yu), a produtora, que também detinha os direitos de Hellraiser, pensou em unir Michael Myers aos Cenobitas, mas a ideia foi excluída rapidamente.

Zombie já tinha uma carreira consolidada antes de se envolver com Halloween — talvez não consolidada tão firmemente no meio mainstream, mas seu nome era reconhecido entre os fãs de terror. Seu trabalho com a música vinha desde os anos 1990, além de dirigir os próprios clipes. E, em 2003, dirigiu A Casa dos 1000 Corpos, que se tornou um dos grandes filmes da década. Então, a cereja do bolo em uma carreira aterrorizante seria trabalhar com um personagem como Myers.

Halloween: O Início (2007)

Os remakes de Halloween dirigidos por Rob Zombie tentam ser mais tenebrosos e assustadores que as duas primeiras cronologias. Os filmes reconstroem um pouco da infância de Myers (Daeg Faerch, aos 10 anos), que já mostra tendências de psicopatia. Em Halloween: O Início (2007), depois de assassinar a irmã, o namorado da irmã e o namorado abusivo de sua mãe, Myers acaba sendo julgado, condenado e preso em um sanatório. Lá Myers passa a se interessar por máscaras de papel machê e, de início, parece cooperar com seu médico, Dr. Loomis (Malcolm McDowell). Mas, enfim, assassina uma enfermeira. Myers (Tyler Mane, já adulto) consegue escapar da instituição e passa a perseguir Laurie (Scout Taylor-Compton). Logo no primeiro filme já descobrimos que Laurie e Michael são irmãos. 

H2: Halloween 2 (2009)

Strode não é morta por Myers, e todos acham que o rapaz foi morto. Mas Myers escapou da ambulância. Em H2: Halloween 2 (2009) temos mais vislumbres de uma infância perturbada de Michael Myers, mais sinais de sua psicopatia e mais uma vez somos postos diante de uma sede de violência do personagem. Myers passou dois anos escondido, com todos achando que ele estava morto, até começar a ter visões de sua mãe e de sua infância, sugerindo que ele fosse atrás de Laurie. E, novamente, mais uma noite de Halloween cheia de terror começa.

Nos dois filmes de Zombie, Tyler Mane interpreta Michael Myers. 

Mas onde se encaixa Halloween 3?

Halloween 3: A Noite das Bruxas (1982, dir. Tommy Lee Wallace e Ralph Bakshi) é o maior ponto fora da curva de toda a franquia Halloween — talvez, de todas as franquias slashers.

Halloween 3: A Noite das Bruxas (1982)

O enredo de Halloween 3 se desenrola a partir de um plano maligno da empresa Silver Shamrock de dominação mundial, controlando todas as crianças do país através de suas máscaras de Halloween. Dr Daniel Challis e Ellie Grimbridge decidem investigar o empresário Conal Cochran após a morte suspeita do pai de Grimbridge. Mas o que isso tem a ver com Michael Myers? Exatamente, nada.

Halloween 3: A Noite das Bruxas (1982)

A intenção de Carpenter para sua franquia era que, após a morte de Myers em Halloween 2: O Pesadelo Continua!, haveria um filme de Halloween por ano, contando histórias diferentes. Mas, não foi o que aconteceu. Apesar do sucesso de bilheteria, os fãs não ficaram contentes de que o filme não tivesse Michael Myers como nosso serial killer favorito.

A linha cronológica recente

– Halloween: A Noite do Terror (1978)
– Halloween (2018)
– Halloween Kills: O Terror Continua (2021)
– Halloween Ends (2022)

Chegamos até a última linha temporal (até agora!) da franquia Halloween. Como já é tradição, a cronologia atual ignora todos os filmes anteriores, exceto Halloween: A Noite do Terror (1978), que continua sendo a história original de aparição de Michael Myers. Isso quer dizer que ignoramos toda a história sobre Laurie Strode ser irmã de Myers e haver algum motivo real para essa perseguição, além da pura maldade do assassino.

Halloween (2018)

Halloween (2018, dir. David Gordon Green) se passa 40 anos após os acontecimentos da terrível noite que Strode presenciou a morte de seus amigos. Mas isso deixou marcas profundas em sua vida. Vemos, conforme o filme avança, o quanto sua relação ficou prejudicada com sua filha e sua neta, como a superproteção parece ter distanciado mãe e filha. Mas, mesmo todos dizendo que Strode precisava superar os acontecimentos do Halloween de 1978, ela permaneceu atenta para o dia que Myers retornaria.

Halloween (2018)

E ele voltou, atrás de vingança, como sempre. Pronto para acertar as contas com Laurie e sua família. Durante o filme conhecemos mais sobre a vida de Laurie e acompanhamos o início de uma perseguição que já conhecemos tão bem, mas que, com todo o suspense e assombro, faz com que se pareça novo.

Halloween (2018)

Apesar de Carpenter preferir não se envolver com remakes de seus projetos, Jason Blum o convenceu a participar mais de Halloween, como um consultor. Após conhecer David Gordon Green e o roteirista Danny McBride, Carpenter decidiu dar algumas ideias ao roteiro e ajudou em muitos detalhes, além de ser creditado como produtor executivo e pela trilha sonora. Já quem convenceu Jamie Lee Curtis a voltar ao papel como Laurie Strode foi Jake Gyllenhaal, amigo da família de Curtis e considerado por ela como um afilhado. 

Imagem promocional da revista Empire para Halloween Kills

A cronologia atual ainda contará com duas sequências: Halloween Kills: O Terror Continua (2021) e Halloween Ends (2022), todos com envolvimento de Carpenter. Ao que tudo indica, o enredo ignorado de Halloween 4: O Retorno de Michael Myers, em que a influência de Myers é vista na cidade de Haddonfield, pode ser utilizado em Halloween Kills. Ainda não temos muitos detalhes sobre o filme, que está previsto para lançamento em 15 de outubro de 2021. 

Documentários

A franquia Halloween, sendo tão amada, gerou uma série de produtos. É fácil encontrar bonecos e pelúcias, camisetas e quadros dos filmes, de Michael Myers e de Laurie Strode. Sendo tão reconhecida como marco do cinema de horror, é natural que a franquia já tenha sido transformada em produtos de várias categorias.

Debra Hill no documentário Halloween: 25 Years of Terror (2006)

LEIA+: O LEGADO DE DEBRA HILL: UMA DAS PIONEIRAS NA PRODUÇÃO DE FILMES DE TERROR

Se você se interessa pela história por trás dessas produções, alguns documentários já foram lançados sobre o assunto. Halloween: 25 Years of Terror (2006, dir. Stefan Hutchinson) faz uma retrospectiva dos acontecimentos da franquia, com arquivos de Debra Hill, John Carpenter, Nick Castle, e entrevistas com Clive Barker e o produtor Moustapha Akkad. Halloween: The Inside Story (2010, dir. Phil Nobile Jr.), conta com entrevistas com Rob Zombie, Jamie Lee Curtis, John Carpenter, Tommy Lee Wallace e tantos outros. 

*

Gostou do artigo? Confira na categoria Aula Macabra outros textos que exploram o universo do terror. Comente com a Macabra no Twitter e Instagram.

Compartilhe:
pin it
Publicado por

Acordo cedo todos os dias para passar o café e regar minhas plantas na fazenda. Aprecio o lado obscuro da arte e renovo meus pactos diariamente ao assistir filmes de terror. MACABRA™ - FEAR IS NATURAL.